31.5.14

Sons da Cidade com Poty Burch

A segunda edição do Projeto Sons da Cidade apresentou o cantor e compositor Poty Burch , na última terça-feira no teatro Renascença. O músico atua na cena da capital há cinco anos, com canções inspiradas pelo rock sessentista. O show contou com a participação de alguns convidado especiais.
 
 
 

 

 
 
 

10.5.14

Fotos da Banda Renascentes

Banda Renascentes estreia com disco que aponta para nova cena em Porto Alegre

Fique atento, pois uma nova cena musical se consolida na cidade. E não é difícil encontrá-la: bastam ouvidos, mente e coração abertos, como provam os Renascentes, quarteto que acaba de lançar o disco de estreia.
No álbum, que leva o nome da banda, estão as tintas necessárias para entender esse momento singular. Primeiro, bebem de fontes tão diversas quanto Secos & Molhados, Pink Floyd, A Cor do Som, Beatles e os Tropicalistas – não por acaso, gente que sempre prezou pela liberdade artística e fazia da sua música uma colcha de retalhos. Longe de estranho, o disco de estreia é instigante e precisa ser ouvido do começo ao fim, na ordem, para que faça sentido o rock garageiro de Raiar vir antes da viajante Mundo Grão e preceder a alma tangueira de Há uma Festa.
O cuidado com produção e mixagem (ambos a cargo do bamba Marcelo Fruet) é outro ponto que salta aos ouvidos, com cada instrumento soando cristalino e em seu lugar – mesmo com o disco tendo sido registrado ao longo de sete anos. A mesma atenção ganhou o projeto gráfico, a cargo de Pirecco, que ajuda a apertar o nó do conceito de álbum. E há, sobretudo, as letras – terceira ponta que liga os Renascentes a gente como Ian Ramil e Musa Híbrida, para citar dois protagonistas dessa nova leva. Além de cruzar referências e não abrir mão da qualidade técnica, é uma turma que cuida o que diz. No caso dos Renascentes, o caldo primordial é Guimarães Rosa.
Nas 12 faixas, os Renascentes falam de pessoas, do cotidiano, contemplam a existência (Há uma Festa) e fazem alguma crítica política (Estranhíssima, talvez a melhor faixa do disco, com participação de Tabatha Fher e trompete matador de Maurício Nader).
Fonte: Zero Hora do dia 06 de maio de 2014.
Fotos do Show da Banda Renascentes no teatro Renascença


 
 
 
 


 
 
 

29.4.14

Marcelo Fruet & os Cozinheiros

 “Sinal destes tempos, Marcelo Fruet é um artista difícil de ser catalogado. Gosto de vê-lo como um roqueiro que faz música brasileira (ou, o que, um dia, se convencionou chamar de MPB).exala muito da poesia rigorosa de Vitor Ramil, perpassa o Caetano nos tempos em que andava inspirado, e deságua na MPB pré-trilha-sonora-de-bar, que tem Lenine como o último baluarte.” diz Marcelo Ferla - Jornalista Cultural (Folha /Ilustrada, Rolling Stone).
O álbum de Marcelo Fruet & Os Cozinheiros, intitulado “AIÓN”, teve uma repercussão instantânea nos veículos de comunicação do RS, recebendo elogios de diversos formadores de opinião, como Juarez Fonseca, Júlio Fürst, Roger Lerina, Ruy Carlos Ostterman e Célia Ribeiro.
O disco possui 15 faixas e inclui os singles da banda “Sabia Que” e “Song for Tom”, uma versão para “Mal Secreto”, de Jards Macalé e Waly Salomão, além de outras canções poderosas. Os mundialmente famosos legados do samba, tropicália, bossa-nova, MPB, jazz, folk e rock são ingredientes confirmados nos pratos servidos por eles.
A banda é composta por Nicola Spolidoro (guitarra), Leonardo “Brawl” (baixo), André Lucciano (bateria) e Lúcio Chachamovich (violões) e Marcelo Fruet ( voz e violão).
Telefone para contato: (51) 3231.6314 - 9122.9166 - 3207.4347
 e-mail: cozinheiros@gmail.com
Fotos do Show no Teatro Renascença em  01.04.2014
 
 
 
 
 
 
  




15.4.14

Carros Antigos

 Quem nunca viu um carro antigo, daqueles que chamam atenção e nunca ficou  se imaginando dirigindo. Colecionar carros antigos é fascinante, é um vício do bem. E assim  que colecionadores de carros antigos definem a paixão por automóveis, que apesar de não serem mais fabricados, permanecem vivos não só na memória dos fãs, mas circulando pelas ruas.
 
 Muitos colecionadores dedicam muito tempo buscando algo raro para comprar e reformar. Essa dedicação por carros antigos está no sangue e não há nada que possa desvirtuar a vontade de ter uma relíquia a mais, ou mesmo uma coleção.
Um grande parceiro nessa empreitada é o Veteran Car Club – RS, Clube de Automóveis Antigos  do RGS, a  instituição  proporciona uma interação entre os proprietários de carros antigos e seus apreciadores. Os encontros acontecem no primeiro domingo de cada mês, na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, e no terceiro domingo de cada mês, no Shopping Total . Ambos entre 9h e 12h.

 







 
 

30.3.14

Porto Alegre, 242 anos!

A vida é feita de escolhas. Porque você escolheu Porto Alegre?
Porque nasceu aqui? Ou você chegou de fora?
Foi amor à primeira vista ou esse amor foi crescendo aos poucos?
Por seus parques, suas ruas, sua história ou sua gente?
Porque ela é grande, cheia de oportunidades, ou porque ela ainda tem um jeito de uma pequena cidade? Pela beleza de suas etnias? Pela forma ou pelo conteúdo? Pensando bem, foi você que escolheu Porto Alegre ou Porto Alegre que escolheu você?
Parabéns, Porto Alegre!


 

 
 

15.3.14

Iberê Camargo - O Carretel

Está na Fundação Iberê Camargo a exposição “Iberê Camargo – O Carretel – Meu personagem”.  A exposição apresenta o desenvolvimento da temática do carretel dentro da trajetória de Iberê Camargo. Quando Iberê Camargo introduziu os famosos carretéis em suas pinturas e gravuras, deu início a um embate obsessivo com o objeto resgatado da própria infância, que se estenderia por quase 30 anos.
 
No período entre os anos 1950 e 1980, o gaúcho ofereceu sua maior contribuição como artista moderno. Um legado que, assim como os carretéis, até hoje tende a escapar às tentativas de encaixá- lo em movimentos ou compará-lo aos pares de seu tempo. É esse sentido de reavaliação o que oferece a nova exposição, dedica-se à fase em que Iberê criou uma assinatura para si.
Com seus carretéis, Iberê alcançou maturidade artística. A produção de Iberê gerou diferentes interpretações. Ele foi considerado abstrato informal, abstrato geométrico e, por fim, um artista que expressava gestualmente a memória e o drama da existência.
A atual exposição visa justapor pinturas e gravuras com a intenção de provocar um desequilíbrio à estrutura crítica ao qual os Carretéis têm sido submetidos, sugerindo uma ênfase na questão da repetição da forma ao ponto de reconsiderá-la, em toda sua ambiguidade entre o lúdico e o melancólico, signo do próprio ser.









 

8.2.14

Guarda do Embaú II

A praia recebe o turista com um desenho de três linhas: o rio, a faixa de areia e o mar. O rio é calmo, ótimo para a prática de esportes. Em uma das margens, a faixa de areia é interrompida por um mar agitado, queridinho entre surfistas do mundo todo. Tudo cercado por morros com pedras brancas, acomodadas para a formação de piscinas naturais com vistas para o oceano. É o presente de Palhoça, em Santa Catarina: a praia da Guarda do Embaú.
O rio da Madre é a primeira dessas linhas. Dependendo da lua, da maré e das chuvas, ele mostra diferente cores. Quase sempre está verde esmeralda. A cor do rio e o tamanho das ondas está sempre mudando, é isso que faz a praia ser pra lá de especial.
A faixa de areia também é mutante. Às vezes, a maré sobe, e o mar chega até o rio, diminuindo o espaço para acomodar a cadeira e o guarda-sol. A pessoa que estiver sentada, se olhar para trás, verá os morros e o rio. À frente o mar e os surfista. Simplesmente, um lugar encantador!
 
 






 

Fotos Gestante

Gestante Renata e Rafael -  Locação Veleiros do Sul - Porto Alegre